Arquelólogos israelenses descobrem ‘anfiteatro perdido’ em local emblemático da Terra Santa

Share Button

Escavações revelam local de mais de 1,8 mil anos totalmente preservado sob o Muro das Lamentações, em região sensível na disputa entre Israel e palestinos.

Arqueólogos israelenses anunciaram uma descoberta histórica num dos lugares mais sagrados, emblemáticos e disputados da Terra Santa. Eles revelaram um anfiteatro romano de mais de 1,8 mil anos de idade, oito metros abaixo do famoso Muro das Lamentações – visitado por mais de 3 milhões de pessoas por ano, na Cidade Velha de Jerusalém.

Anfiteatro recém-descoberto
Anfiteatro recém-descoberto

Foto: BBCBrasil.com

As escavações também expuseram mais um pedaço do Muro em si que estava encoberto havia pelo menos 1,7 mil anos – soterrado provavelmente por um terremoto.

O Muro das Lamentações é considerado o ponto mais sagrado para o judaísmo, mas também é reverenciado por cristãos e fica adjacente à Esplanada das Mesquitas (ou Monte do Templo, para os judeus), o terceiro local mais sagrados para os muçulmanos.

O Muro é que o restou da muralha de contenção da estrutura construída por Herodes (que reinou na Judeia de 37 a.C. até 4 d.C.), para sustentar o Segundo Templo judaico, destruído pelos romanos em 70 d.C. Hoje, no mesmo ponto, está o Santuário da Rocha (Al-Haram Al-Sharif), com sua famosa cúpula dourada.

Oito níveis do Muro das Lamentações foram desenterrados pelos arqueólogos. Estavam totalmente preservados, apesar de terem passado milênios soterrados. O trecho fica abaixo do chamado “Arco de Wilson”, localizado no canto esquerdo do atual Muro conhecido pelos turistas.

O “Arco de Wilson” era uma das passagens pelas quais, na época de Jesus Cristo, há 2 mil anos, moradores de Jerusalém e visitantes podiam subir até o Monte do Templo. Originalmente, tinha 13 metros de altura.

O anfiteatro romano com 200 assentos – pequeno em comparação com outros da região, como em Cesareia – foi descoberto próximo ao Muro, confirmando os relatos de historiadores da época, como Flávio Josefo (37 d.C.-100 d.C.), de que havia uma construção como essa adjacente à muralha. Também foram desencavados vasos de cerâmica, moedas e elementos arquitetônicos.

Existência descrita

As primeiras escavações arqueológicas no local foram feitas no século 19 – em 1864, o arqueólogo britânico Charles William Wilson descobriu o arco que leva seu nome.

Mas Wilson não conseguiu revelar o anfiteatro que era descrito por historiadores como Flávio Josefo e por fontes do período pós-destruição do Segundo Templo, época em que os romanos trocaram o nome de Jerusalém para Aelia Capitolina.

Muro das Lamentações
Muro das Lamentações

Foto: BBCBrasil.com

“Da perspectiva dos pesquisadores, é uma descoberta sensacional, uma verdadeira surpresa”, diz o arqueólogo Joe Uziel, da Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI). “Nosso objetivo era datar o Arco de Wilson, mas não poderíamos imaginar que solucionaríamos um dos maiores mistérios de Jerusalém: o anfiteatro perdido.”

Outro detalhe interessante é o fato de que, segundo os arqueólogos, o pequeno anfiteatro – do tipo que os romanos chamavam de “odeon” – nunca foi terminado e a construção foi abandonada por algum motivo, talvez por causa da revolta judaica de Bar Kochba (132 a 135 d.C).

Palestinos condenam escavações

As escavações israelenses na Cidade Velha de Jerusalém são criticadas pelos palestinos, já que toda essa área esteve sob controle jordaniano até 1967, quando passou a mãos israelenses durante a Guerra dos Seis Dias.

Os palestinos afirmam que toda a parte Oriental de Jerusalém (onde fica a Cidade Velha) ocupada por Israel pertence a eles como parte de um Estado palestino independente.

Já para os israelenses, a Cidade Velha – e toda Jerusalém Oriental – é parte indivisível de Israel, tendo sido anexada por lei em 1980. Eles dizem que a cidade nunca fez parte de qualquer nação moderna, já que os jordanianos também haviam ocupado sua parte Oriental depois da Guerra de 1948-49 (pós-criação de Israel) depois de três décadas sob administração britânica.

A disputa por Jerusalém é um dos pontos nevrálgicos do conflito entre israelenses e palestinos.

Uma batalha diplomática tem sido travada em órgãos internacionais. Em julho deste ano, a Unesco adotou resolução jordaniana condenando as atividades arqueológicas de Israel na Cidade Velha, sob acusação de serem ilegais pela Lei Internacional.

O Brasil votou em favor da resolução depois que os jordanianos aceitaram mudar o texto original, que identificava o Monte do Templo apenas por seu nome em árabe, “Aqsa Mosque/Al-Haram Al-Sharif”, e se referia ao local como segrado só para muçulmanos.

Alguns palestinos acreditam que as escavações na Esplanada das Mesquitas/Monte do Templo têm como objetivo minar as fundações das mesquitas que existem hoje no local para a eventual construção de um Terceiro Templo judaico.

Recentemente, os Estados Unidos e Israel anunciaram que vão se retirar da Unesco em protesto contra o “viés anti-Israel” da agência da ONU.

Justamente diante dessa batalha diplomática é que autoridades israelenses veem com bons olhos descobertas arqueológicas que confirmem relatos bíblicos ou históricos que comprovam a ligação entro o povo judeu e Jerusalém.

“Uma atrás de outra, as descobertos arqueológicas permitem que nossa geração realmente toque na história antiga e herança judaica do nosso povo, mostrando sua conexão profunda com Jerusalém”, disse o rabino do Muro das Lamentações, Shmuel Rabinowitz.

Mas, para o diretor-geral da Autoridade de Antiguidades de Israel, Israel Hasson, as descobertas no local são muito mais amplas do que a disputa política contemporânea: “Espero que esses achados ajudem-nos a avançar, para que todos possamos nos impressionar com o passado glorioso de Jerusalém”.

via: https://www.terra.com.br/noticias/ciencia/arquelologos-israelenses-descobrem-anfiteatro-perdido-em-local-emblematico-da-terra-santa,73d6983a5d16950ba9b1844f7cf502dcow366jyp.html
Share Button

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.