Moscou denuncia “incoerências” em relatório da ONU sobre uso de gás sarin na Síria

Share Button

 

Moscou denuncia “incoerências” em relatório da ONU sobre uso de gás sarin na Síria

Criança vítima de ataque em Khan Sheikhun, em 4 de abril de 2017 – AFP/Arquivos

O relatório da ONU que aponta o governo sírio como responsável pelo ataque com gás sarin perpetrado em abril na cidade de Khan Sheikhun contém várias “incoerências” e “testemunhos duvidosos”, denunciou nesta sexta-feira a diplomacia russa.

A leitura desse relatório mostra “muitas contradições, incoerências lógicas, um uso de testemunhos duvidosos e de provas não confirmadas”, denunciou o ministro adjunto das Relações Exteriores, Serguei Riabkov, à agência Interfax.

“Ao contrário de nossos interlocutores, que dormem e sonham com esse relatório somente para utilizá-lo como um arma para seus próprios objetivos geopolíticos na Síria, estudamos tranquilamente e profissionalmente o conteúdo deste documento”, prosseguiu.

Riabkov informou que a Rússia, aliada do regime de Bashar al Assad, fará uma “análise” mais completa do caso.

Um relatório da ONU, divulgado nesta quinta-feira (26), determinou que o governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, foi o responsável por um ataque com gás sarin na Síria que deixou mais de 80 mortos em abril.

Segundo a ONU, mais de 80 pessoas morreram no ataque químico a este povoado, situado na província de Idleb, no nordeste da Síria, e pelo menos 87, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

As imagens dos habitantes, entre eles várias crianças, que agonizavam após o ataque, deram a volta ao mundo e levaram o governo de Donald Trump a atacar a base aérea de onde, segundo as potências ocidentais, havia se lançado a ofensiva sobre Khan Sheikhun.

Na noite de 6 de abril, o exército americano disparou 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk de dois buques americanos na base de Al Shairat.

Estados Unidos, França e Reino Unido acusaram as forças do presidente sírio Assad de ser responsável pelo ataque com gás sarin, mas Damasco sempre negou qualquer envolvimento.

A Rússia garante que o gás sarin encontrado na localidade era da explosão de um obus no solo, e não de um bombardeio sírio.

No começo de setembro, a Comissão de Investigação da ONU sobre a situação dos direitos humanos na Síria acusou as forças sírias de ser responsáveis pelo ataque.

via: https://istoe.com.br/moscou-denuncia-incoerencias-em-relatorio-da-onu-sobre-uso-de-gas-sarin-na-siria/

Share Button

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.