Senado brasileiro vai investigar massacre de índios isolados no Amazonas

Share Button

Além da averiguação da denúncia do massacre de indígenas na região do Vale do Javari (Amazonas), os senadores vão verificar a suspensão das actividades das bases de protecção a índios isolados na Amazónia por parte da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Além da Funai e do Ministério Público Federal, também o Senado brasileiro vai investigar o massacre recente de indígenas na AmazóniaCréditos/ diariodonordeste.verdesmares.com.br

De acordo com o Portal Vermelho, o Senado brasileiro aprovou a realização de «uma diligência nos municípios amazonenses de Tabatinga e São Paulo de Olivença», tendo como objectivo averiguar a denúncia do alegado massacre de indígenas na região do Vale do Javari.

A autora do pedido, a senadora Vanessa Grazziotin, do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), disse que o «agravamento dos problemas na região pode estar relacionado com os cortes orçamentais sofridos pela Funai».

«Isso resultou na suspensão das actividades de cinco bases de protecção a índios isolados na Amazónia, deixando esses povos sem defesa contra garimpeiros [mineiros], fazendeiros e madeireiros», criticou a senadora comunista.

A 29 de Agosto último, o Ministério Público Federal no Amazonas, em conjunto com a Polícia Federal, abriu uma investigação sobre o alegado massacre de indígenas isolados na Terra Indígena Vale do Javari. Existe a suspeita de que um grupo de mineiros ilegais tenha executado pelo menos dez pessoas, incluindo mulheres e crianças, nas imediações dos rios Jandiatuba e Jutaí, próxima da fronteira com o Peru.

Responsabilidades de Temer

A organização Survival International descreveu o governo do presidente golpista Michel Temer como «ferozmente anti-índio, com ligações próximas ao poderoso lobby brasileiro do agronegócio e anti-indígena», e acusou-o de ter «grandes responsabilidades» no ataque «genocida» ocorrido recentemente.

Em declarações ao Huffington Post, o director da Survival International, Stephen Corry, disse que «os cortes nos fundos da Funai deixaram dezenas de tribos isoladas sem defesa contra milhares de invasores, ansiosos por roubar e pilhar as suas terras».

Para Corry, o «apoio declarado do governo brasileiro àqueles que querem ver os territórios indígenas abertos é francamente vergonhoso e está a fazer retroceder décadas os direitos dos povos indígenas do Brasil».

«Crueldade» contra comunidades tradicionais

Em entrevista ao Brasil de Fato, Joenia Wapichana, a primeira indígena a formar-se em Direito no Brasil, caracterizou como «um acto de crueldade» a ofensiva recente do governo Temer contra os povos tradicionais, na medida em que estes são mais «vulneráveis» e «não têm nenhuma forma de se defender dessa violação», disse.

A advogada considera fundamental parar com o ataque constante à Funai e concluir a regularização das terras indígenas, porque «a gente sabe que o índio sem terra não é nada», disse. No que respeita ao Vale do Javari, defendeu que o Estado brasileiro deve «tomar medidas urgentes para fazer a defesa dos povos que estão ali».

via : www.abrilabril.pt

Share Button

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.